Como são as mensagens mais comuns que os corretores recebem?

O Properati realizou um estudo com base nas mensagens que as pessoas enviam às imobiliárias e construtoras perguntando sobre os imóveis. Como é diferencial dos contatos do portal, somente contatos válidos e de pessoas realmente interessadas em imóvel (ninguém perguntando sobre “parceria com minha loja de móveis planejados”). Ao todo, foram avaliadas cerca de 100 mil mensagens no Brasil, Argentina, Chile e México.

Com isso identificamos o tamanho médio das mensagens, as palavras mais utilizadas e, por consequência, como são construídas as frases mais comuns das mensagens que os corretores recebem.

O gráfico abaixo mostra a quantidade média de palavras usadas nas mensagens. Entre os quatro países avaliados, somos o terceiro “mais falante”, porém as médias são muito próximas, logo, não existe tanta diferença entre os países.

 

Avaliando as palavras mais utilizadas, não somos os mais cordiais entre os países comparados. Enquanto “olá” e “obrigado” aparecem no topo da lista de Chile e Argentina (claro que no seu devido idioma), no Brasil “olá” aparece em quinta posição e o “obrigado” nem entre as vinte está.

 Muito provável que seja uma questão sobre o perfil de uso da internet do brasileiro e da busca por imóveis, onde é realizado diversos contatos – o que torna a mensagem mais direta, objetiva, com menos tempo para “cordialidade”.

Porém essa cordialidade pode existir mesclada com cautela, quando se emprega o verbo “Gostar” no futuro do pretérito. “Gostaria…”. Isto transmite um cuidado ao entrar em contato, porque não é dito “quero”, de modo mais direto e impositivo talvez. Mas isso pode revelar uma certa fragilidade no desejo de informação, podendo ter algo de não querer compromisso – o que de fato não existe ao solicitar informação, apesar da necessidade dela, o compromisso com a venda ou visita ao solicitar isto não existe. É como entrar na loja e dizer “só estou dando uma olhadinha” – existe interesse real, mas ainda está investigando, namorando o produto para definir a compra (aí que entra o vendedor, no nosso mercado, o corretor de imóveis.

Finalizando este estudo, criamos uma “árvore” que mostra como as mensagens são formadas palavra por palavra. A construção das frases fluem pelas ramificações. O início de mensagem mais comum, por exemplo, seguindo as ramificações seria “Gostaria de saber o valor do…”.

Brasil

Para saber mais sobre a comparação com outros países, leia a postagem completa no Blog Properati.